quarta-feira, 23 de novembro de 2016

UNANIMIDADE DA IGNORÂNCIA E A IMPOSSÍVEL HEGEMONIA ESCARLATE DA ODIOSA ABSTRUSA “TEORIA DE GÊNERO”

Joilson Gouveia*

Toda “a ignorância é atrevida”: seria um aforismo popular ou a teria dito o nosso polêmico sagaz, sarcástico e satírico escritor, jornalista, cronista e autor Nelson Rodrigues, que assestara “toda unanimidade é burra”?
Com efeito, inclusive, houve quem pesquisasse, duvidasse, contestasse e explicasse sobre ela não ser de sua autoria, e sim do famigerado sanguinário nazista ou de um escritor alemão, e citada por Hitler, mas vejamos aqui, a saber:
·         Melhor resposta: Muitas pessoas, sem pensar, usam a terrível afirmação de Nelson Rodrigues: "Toda unanimidade é burra".
·         Trata-se de uma frase de efeito. Como aquela outra: "Nem toda mulher gosta de apanhar, só as normais". Ou esta: "Um suicida já nasce suicida". Expressões que Nelson colecionava para nos fazer refletir, provocar polêmica, e não para encerrar discussões ou aumentar o número de lugares-comuns.
·         Frase de efeito que é também armadilha de Nelson. Quando todo mundo concordar que toda a unanimidade é burra ficará comprovado que toda a unanimidade é burra mesmo!
·         A palavra "unanimidade" vem do latim unanimis. Significa, simplesmente, que duas ou mais pessoas vivem com um (unus) só ânimo (animus). Um time de futebol bem treinado, uma equipe de trabalho bem articulada, dois amigos leais, um casal que pensa e age em harmonia são exemplos de unanimidade inteligente.
·         Em dados contextos, sim, a unanimidade pode ser burra. É burrice todos obedecerem cegamente a uma ordem que vem não se sabe de onde com finalidades obscuras ou inconfessáveis. É burrice, por exemplo, comprarmos um livro pelo único fato de ele constar da lista dos mais vendidos. Unanimidade inteligente começa na alma de cada um. Começa na individualidade. Na luta pessoal contra as nossas intolerâncias, contra essa tendência a só sentir as próprias dores, a observar o mundo pelo buraco de um canudinho.
·         Unanimidade inteligente requer a liberdade de distinguir entre o direito nosso de questionar e o dever nosso de comprometer-nos. Requer, mais ainda, a capacidade de reconhecer que podemos estar errados e a maioria estar certa...
·         Existem unanimidades excepcionais. Os especialistas da educação são unânimes, por exemplo, ao afirmar que todo aluno pode descobrir o prazer de aprender. Esta verdade ajudará os professores a trabalharem com ânimo e esperança.
·         Espero que sejamos unânimes, também, quanto a certas idéias e valores que nos obrigam a repensar nossa conduta, pedir perdão, desdizer o que dissemos, enfim, melhorarmos como pessoas.
·         O ser humano é perfectível. Seremos mais humanos se formos unânimes naquilo que valha a pena. A melhor forma de vencer a unanimidade burra é participar da unanimidade inteligente.” – in https://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20080908130156AA1CcN3 by Priscilla Winchester. (Sic.)
Entrementes, independentemente de quem seja seu autor ou a tenha dito, toda unanimidade burra ou “inteligente” conduz, seduz ou induz à alegação de que todos seríamos iguais in genere e não semelhantes enquanto seres humanos distintos, díspares, diversos e diferentes de saberes, conhecimento, cultura, razão, intelecto e inteligência e não somente quanto ao aspecto sexual (sexo masculino e sexo feminino) que querem, desejam e tentam impor uma unânime dominante ideologia hegemônica do tertius genes, abominando, desconhecendo e ignorando os hereditários pares de cromossomos, gametas, zigotos (homozigotos e heterozigotos ou os pares “xx” e “xy”); coisas típicas da anelada, sórdida, descabida, impossível e improvável dissimulada hegemonia escarlate em seus mais de cinquenta tons!
A lógica ilógica ou falta desta (lógica) é a mesma insana sandice de quando se imagina ou se supõe que todos chineses ou japoneses são iguais ainda que semelhantes, similares e parecidos uns com os outros ou tal e qual tailandeses e coreanos. Imagine-se aqui, num Brasil multirracial, multiculturalista ou multiétnico, misturado e miscigenado com cultos aos “dias de consciência” disso ou daquilo ou quejandos, por exemplo?
Melhor seria se tivéssemos dias de consciência humana enquanto seres humanos que demonstramos não Ser. Na prática, não temos sido humanos! Faltam-nos cultuar os princípios, valores, ânimos e ideais ou ideias sem ideologias carcomidas, fracassadas e ultrapassadas que nunca deram certo por serem o próprio erro!
Doutro lado, a ignorância (unânime ou não) campeia atrevidamente solta numa ousadia intrépida, ridícula e desafiadora, mormente aos borbotões de bordões de algumas centenas de jovens ignaros, agnósticos e inocentes úteis lobotomizados ou manietados e manipulados pelos “grandes pensadores críticos” esquerdistaPATAS que se dizem “educadores” – que saudades dos verdadeiros professores que ensinavam-nos a aprender e não só a apreender e decorar seus ditos e dizeres – ou pensam ser pensantes pedagogos ou psicopedagogos, que bombardeiam nossas crianças e não mais somente à juventude (adolescentes secundaristas e universitários) literalmente usados para defesa indefensável de interesses partidários, jamais educacionais ou culturais ou intelectuais!
De mais a mais, no Brasil, ignorância ou ignorar (agnosia) é sabedoria ou como bem o disse Olavo de Carvalho: “o Brasil é o único país do mundo onde a ignorância é fonte de autoridade intelectual”. Daí estarmos em odiosa estagflação ou degradação generalizada e quase total!
Por que” - como bem indagado e dito por Morgan Freeman - “não há um dia da consciência branca, amarela, porquê há de ter um dia ou um mês da consciência negra?”. Disse mais, a saber: “O dia em que pararmos de nos preocupar com a consciência negra, amarela ou branca e nos preocuparmos com a consciência humana o racismo desaparece” – veja sua entrevista aqui, a saber: https://www.facebook.com/229282227416635/videos/364290577249132/
Além do mais, a mídia televisa aberta ou fechada tem dado mostras cabais nessa campanha aniquiladora dos princípios, valores e ideais ou ideias constitutivos e constituidores da célula mater da nossa Sociedade: família. – Vejam ao ignominioso iníquo e sórdido programa “Encontros”, de Fátima Bernardes, que sugestiona, influencia, dissemina e apregoa novos valores, nas cabecinhas de crianças entre seis e doze anos, ao mostrar vídeos “voluntários”, “espontâneos”, “inusitados” ou “inesperados” de casais gays se declarando e se beijando à luz do dia, e com comentários de pedagogos, psicólogos e atores gays tentando “normalizar suas condutas ou preferências sexuais”, aviltando, denegrindo e degradando os valores da família ou, no mínimo, confundindo suas cabecinhas ingênuas, inocentes e ainda ignorantes dessas tais “preferências” e “opções”. Onde o MP, Juizados da Infância e respectivos Conselhos Tutelares?
Uma coisa é ser contra a homofobia outra é ser apólogo do gayzismo ou do homossexualismo masculino ou feminino ou bissexualismo ou mesmo o feminismo ou o machismo, para nossas crianças. Ou não?
Nada contra aos que têm essas ou aquelas preferências, mas deixem nossos inocentes em paz e tranquilos com sua inocência ingênua infantil e próprias de crianças. Por que essa açodada pressa sobre tais temas?
Como pregar a tolerância e a aceitação ou compreensão às diversidades se tentam impor a unanimidade, unicidade ou uniformidade ou hegemonizar o tertius genes dessa absurda, abjeta e abstrusa teoria de gênero? Passaremos a ser seres comuns de dois ou mais gêneros, doravante? Extinguiremos os seres machos e fêmeas ou extirparemos os héteros: homens e mulheres?
Enfim, em se tratando de preferência, escolha ou opção, deixai-os, pois, selecionar ao seu livre alvedrio, nuto, talante e gosto pessoal, individual, privativo e íntimo de cada Ser ou de per si; ou não? – Gustibus et coloribus non est disputandum: gosto e cor não se discute, nem devem ser impostos ou impostas; ou não? Qual o propósito e a quem interessa essa gana ou moda e modismo?
Isso sem falar na ignominiosa, iníqua e ignomínia ou oprobriosa enquete de escolher a salvação da vida entre um policial e um traficante? É um descalabro! Uma apologia transversa ao crime senão aos criminosos! Ou não?
Bem por isso, digo, repito e reitero: urge endireitarmos nosso Brasil!
Abr
*JG


Nenhum comentário:

Postar um comentário