segunda-feira, 12 de agosto de 2019

OS GOLPES SÃO UMA "QUEDA SEM COICE" E UMA "PSEUDO PRISÃO"!

Joilson Gouveia*


Usando do dogma leninista: “acuse-o daquilo que você pratica e do que o és”; eis que o autor do blog e arauto escarlate:https://www.cadaminuto.com.br/noticia/340945/2019/06/17/o-impeachment-tinha-como-resultado-morte-a-democracia-no-brasil,que é mais uma irascível, iracunda e antipática lamuriosa carpideira inconsolável, renitente e “resistente”, daquelas que vivem a chamar de CORJA à família do Mito, quando a autêntica súcia matula reside na referida escumalha dessa “imprensa-canalha” [Millôr] mormente quando dispõem de uma mídia mercenária em favor deLLes, como sói acontecido desde o assestado por Joseph Pulitzer: “Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma”!

Temos dito: não é inteligente, coerente, razoável, adequado nem seguro jogar limpo com quem só joga sujo, e só sabe dar golpes baixos e abaixo da linha-de-cintura; é muito mais que bobeira, é asneira; é ingenuidade pueril, mormente quando dispõem de uma “imprensa canalha”[Millôr] em favor deLLes, como sói acontecido, quando nos pecham de “extremistas”, “reacionários”, “radicais”, “racistas, “sexistas”, “machistas”, “misóginos” e etc. e tal, quejandos e tudo o mais de suas logorreias quando é exata e justamente tudo o que são todos eLLes.

Bem por isso, "O momento exige que os homens de bem tenham a audácia dos canalhas". - Benjamin Franklin.

Lembrete: "até o momento não vimos, nem ouvimos nem lemos a nenhuma declaração da ONU, de seu Comitê de Direitos Humanos e de nenhuma ONG internacional (ou mesmo nacional) condenando o atentado terrorista contra Jair Messias Bolsonaro” - o Mito -, que quase o feriu de morte senão à própria democracia; onde os comentários contra tal "amoroso, generoso, amistoso e pacífico" ato criminoso? Ao contrário, muitos disseram ser uma simulação ou encenação forjada, para angariar votos e quejandos. Ou não?

Agora, para pensar na cama - plagiando o saudoso Joelmir Beting: por que a imprensa pugna tanto contra a franqueza, honestidade e sinceridade de um único homem, que enfrenta o establishment (ordem social estabelecida de pessoas de grande influência ou poder, desde FHC&Lula: as lâminas da tesoura escarlate) que anela o unitário e totalitário ESTADO-DEUS, onde sequer há imprensa senão a “oficial” ou chapa-branca?

Embora a democracia seja “a estrada segura” (ao comunismo/socialismo/marxismo/leninismo/stalinismo) ou “o essencial oxigênio” (Gramsci) dos atuais “progressistas/humanistas/coletivistas/igualitaristas” a imprensa (livre, autônoma, independente e plural) deixa de existir; ou não?

É JÁ IR ou já era, temos dito, repetido, reiterado e replicado haja vista que inexiste democracia sem alternâncias, mudanças, variadas, repetidas e sucessivas sucessões de (e no) Poder, sob pena de uns “condenados” se arvorarem de dizer que “tomaremos o poder, o que é diferente de eleições” para retornar ao Poder [José Dirceu] e a imprensa silente, calada, muda, ausente, alheia, mouca e quieta: a ameaça é o MITO? Ora, ora, ora, tenham paciência e durmam com o alarido desses!

Com efeito, dizer que o “impeachment foi GOLPE” é forçar demais, é surreal, é ser mais que alienado, alienante e alienista; é ser um mequetrefe, reles e vil “idiota útil, socialista sincero e lobotomizado”. GOLPE foi a “queda sem coice” tal e qual ou tanto quanto a falsa prisão (do escroque deca réu, condenado e “preso comum” – que deveria estar num presídio ou penitenciária - que vive a dar entrevistas, usar celular e acessar à Internet e às redes sociais; coisa que nenhum outro condenado dispõe – embora muitos discordem de que não seja um preso comum) posto que intentam fazer de um pusilânime político preso num preso político: “Concordo que Lula não é um preso comum. Seria forçar a barra colocá-lo em Tremembé. Sua periculosidade é de outro nível. Ele não mata pessoas, destrói nações. –Xico Graziano @xicograziano”. O qual, tem a “suprema corte totalmente acovardada” como refém; pois levou menos que trinta minutos para evitar a transferência do “preso” para Tremembé; enquanto “a mineira que lutava para conseguir remédio de alto custo do estado morre após seis anos esperando decisão que tramita no STF”.
Abr
*JG


Nenhum comentário:

Postar um comentário